31/08/2012

30 dias


Coloquei Nando Reis pra tocar, porque sei que uma das companheiras que começará a contagem regressiva dos 30 dias comigo ama esse ruivo barbado. E também pra tentar fazer a música boa trazer a tona mais criatividade e novos pensamentos. Mas devo confessar que focar o pensamento em outra coisa anda cada vez mais difícil.

Cada dia é um dia a menos para que o sonho se realize. E embora sair do país seja um sonho comum, encontrado em qualquer padaria, a experiência é única para cada um: desde guardar dinheiro e passar aperto para conseguir pagar a passagem, até almejar os dias de neve e imaginar o tamanho das saudades que sentirei de cada detalhe brasileiro.

Hoje, na verdade, falta um mês e um dia, mas amanhã faltarão apenas 30 dias para não conseguir dormir, para não saber se ri ou se chora, e para não saber quem abraçar no aeroporto.

Mas desde já (ou desde algum tempo) não há outra coisa que eu consiga pensar sem ser no pequeno e gelado país que irá me abrigar. E fico por aqui, perdida nos meus pensamentos, confabulando comigo mesma como será chegar em casa e não ter mãe pra conversar e não ter janta do pai às quintas. Ou então, como será andar de bicicleta por todos os cantos da cidade, e planejar a viagem para um país vizinhoTambém penso como será comprar roupa por um euro, tomar a Guiness original, conversar em inglês, passar frio, chorar de saudade, desejar um pão de queijo, fugir dos brasileiros, arrumar um emprego simples, e passar domingos sozinha...

Na realização do sonho tem coisa ruim – tudo culpa da saudade – mas tem mais coisa boa. Vai ser tudo diferente, tudo novo, tudo único. E só falta um mês. quatro semanas. 30 dias.