25/12/2013

Foi Natal

                                                    
Amanheceu dia 24. Mulheres na cozinha, famílias esperando anoitecer e crianças ansiosas pelo Papai Noel. A reflexão chegou para todos. Mensagens sinceras e singelas foram distribuídas aos velhos e novos amigos, a todos os queridos. Todo mundo vestiu a melhor roupa que tinha no armário. Bons abraços foram trocados e sorrisos não faltaram. A comilança foi feita e milhões de “Hummmm... Que delícia!” foram ditos.

A saudade se fez presente! Saudade de quem tá longe, de quem já se foi, e até de quem nunca mais se soube. Saudade da saudade que senti no último ano – do frio, das amigas unidas, e do frango que foi batizado Peru. Saudade daqueles anos em que o Papai Noel chegava: misteriosamente me dava uma vontade súbita de ir ao banheiro, e quando entrava em casa, via todos os presentes no pé da Árvore de Natal. Nesse tempo, até enxergava uma luz no céu que parecia o bom velhinho com suas renas indo para a próxima casa.

Presentes foram trocados e todo mundo voltou a ser criança. Todos os olhos brilharam, do caçula da família até o mais velhinho. Agradecimentos foram transmitidos por palavras curtas, pensamentos longos, olhares cúmplices, lembranças dividas e gargalhadas compartilhadas. O amor se fez presente do 24 ao finalzinho do 25.


O desejo foi um só: que toda consequência causada pelo espírito natalino se mantenha por todo ano. Que a gente saiba agradecer de coração todos os dias. Que saibamos retribuir, sorrir, abraçar, refletir e seguir. Que o amor seja maior, com todos, para todos, diariamente.