27/03/2015

Eu não anoto mais na mão

Estava na aula de comportamento do consumido digital na pós e lembrei que estava devendo enviar um email a uma amiga. Anotei na mão o nome dela pra não esquecer do que tinha que fazer. 

Então, o tempo parou. 

Eu pensei: quando foi que parei de anotar na mão as coisas que eu preciso fazer? 

Passei anos da minha vida riscando palavras-chave, desenhando guarda chuva e fazendo um rabisquinho, tudo pra sinalizar que precisava lembrar de alguma coisa. 

Quando foi que o celular e os lembretes de calendário eliminaram os lembretes de mão? Não me lembro desta transição, tão imediata que deve ter sido. 

Quantos hábitos simpáticos a tecnologia roubou de nós? Ninguém nunca mais soube que o desenho do guarda chuva era pra lembrar de levar o dito de volta pra casa e não deixá-lo secando pra sempre. E quantos guarda-chuvas esqueci por aí? Quantos inícios de diálogo sobre conhecer mais o outro foram perdidos com a falta de rabisco na mão? 

Todos os aniversários não precisam mais de anotações na mão. Ninguém interpreta mais que "presente Gabi" era o aniversário chegando. 

A falta de anotação na mão fez a gente conhecer menos o outro. Não fez? Fez olhar mais pra anotação no celular do Que pra mão do outro, não fez? 

Hmm... 
Até eu que amo esta facilitadora, não gosto dos julgamentos digitais. 

Anotei "Marília" na mão.